Santa Sé aprovou o Calendário Litúrgico Próprio da Diocese de Bragança-Miranda | Diocese Bragança-Miranda

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos aprovou o Calendário próprio da Diocese de Bragança-Miranda e respetivos textos das Missas e da Liturgia das Horas. O decreto 570/15 foi assinado em Roma no dia 13 de Maio de 2016 e entrará em vigor a partir do I Domingo do Advento, abertura do Ano Litúrgico-Pastoral na nossa Diocese.

Conforme a Instrução Geral do Missal Romano no nº 394: «É conveniente que cada diocese tenha o seu calendário e o seu próprio das Missas. (…) Na elaboração deste trabalho há-de conservar-se e defender-se o mais possível o domingo, como principal dia de festa, que não deve ser sacrificado a outras celebrações que não sejam de máxima importância. Procurem também que o Ano litúrgico, reformado por decreto do II Concílio do Vaticano, não seja obscurecido por elementos secundários».

 

“Ouvido o Conselho Presbiteral e outros órgãos de comunhão do Presbitério e desta porção do Povo de Deus, consideramos também nós conveniente que a Diocese de Bragança-Miranda tenha o seu calendário e o seu próprio Missal, Leccionário e Liturgia das Horas”, explica o bispo D. José Cordeiro.

Desde o Concílio Vaticano II, há 50 anos, que foi proposto que cada diocese tivesse o seu calendário próprio para incentivar o culto e veneração dos santos para haver uma consciência mais clara de que a Igreja Universal se realiza na Igreja particular.

De acordo com o bispo diocesano, esta é uma ferramenta “para que a Liturgia seja um fator de união, de comunhão mas, também, de singularidade” da nossa diocese.

“A Diocese de Bragança-Miranda nunca teve um Calendário Próprio aprovado pela Santa Sé. O Calendário particular que agora apresentamos quer tributar um culto especial aos santos que nos são próprios e àquelas solenidades, festas e memórias que nos dizem muito ou que agora foram alterados os dias, apesar de inscritas no Calendário Universal. O calendário da Igreja de Bragança-Miranda abarca, por isso, todas as celebrações inscritas no Calendário Universal, no Calendário nacional português, com o acrescento das celebrações que indicamos em particular ou que sublinhámos pelo que para nós significam: as festas do padroeiro principal, S. Bento (21 de março e 11 de julho); as celebrações dos Santos e Beatos que foram Bispos neste território: Frutuoso. Martinho do Dume, Geraldo (5 de dezembro) e Bartolomeu dos Mártires (18 de julho); os Beatos Bragançanos: Bento de Castro e Nicolau Dinis (17 de julho); a solenidade da Dedicação da igreja Catedral (7 de outubro) e de todas as igrejas dedicadas (25 de outubro); a festa da Basílica de Outeiro (14 de setembro); outras celebrações significativas na vida da Diocese: Bem-aventurada Virgem Maria, rainha, sob a invocação “das Graças” (22 de agosto); Bem-aventurada Virgem Maria do Rosário (8 de outubro), os Pastores e Benfeitores defuntos (22 de maio), Santa Rita de Cássia (23 de maio); todos os Santos e Beatos da Diocese (1 de dezembro)”, explica o prelado.

A diocese de Bragança-Miranda é das primeiras a ter este calendário aprovado, segundo a nova modalidade, consoante o alinhamento que a Santa Sé agora prevê.

“Este calendário permite-nos viver com mais firmeza e mais convicção o que professamos no Credo. O Todo da Igreja está aqui presente como em cada diocese. É mais um instrumento para a cultura da comunhão, da unidade, da relação entre todos os que vivemos e peregrinamos neste território”, destaca o bispo diocesano.

Secretariado das Comunicações Sociais,

01.07.2016