Serviços diocesanos unem-se para apoiar família venezuelana | Diocese Bragança-Miranda

A Venezuela acolhe a segunda maior comunidade estrangeira de portugueses, com mais de meio milhão a viver naquele país. Neste momento, vive uma grave crise económica e política que obriga os luso-descendentes a regressar, particularmente para a Madeira. É o colapso económico, a alta criminalidade, a inflação, a insegurança e a falta de esperança numa mudança no governo que força estes cidadãos a abandonar a Venezuela.

Também a Bragança têm chegado venezuelanos à procura de um futuro melhor. O Serviço Diocesano das Migrações e das Minorias Étnicas acompanha alguns deles e especialmente uma jovem família que recentemente chegou a Bragança.

A pequena casa que alugaram precisava de quase tudo, desde mobílias, loiças, roupas entre outros bens essenciais. A equipa deste serviço apoiou e organizou a casinha que foi preciso pintar, compor, recuperar mobílias, tudo de forma rápida porque o pequeno venezuelano estava para chegar.

Nasceu na semana passada e foi acarinhado pela Cáritas Diocesana e pela Associação Entre Famílias que conseguiram, a tempo, providenciar o essencial para o enxoval do bebé. Também uma colaboradora deste serviço entre outras pessoas voluntárias foram incansáveis a providenciar o necessário às boas-vindas desta criança.

Aguarda-se para breve a chegada de outros elementos desta família que igualmente escolheram Bragança para se refugiar e recomeçar as suas vidas.

Texto/fotografia: Serviço Diocesano das Migrações e Minorias Étnicas.