Bispo de Bragança-Miranda / Presença e companhia com os jovens no Panamá | Diocese Bragança-Miranda

O bispo de Bragança-Miranda, D. José Cordeiro, parte para a JMJ com “enormes expetativas e, sobretudo, com uma grande esperança e uma vontade firme de ser companhia e presença juntamente com os jovens que vão de Portugal, mas de todos os países do mundo”.

O prelado conta à Renascença que, desde que participou na JMJ em 2013, no Rio de Janeiro, ficou “convencido e encantado com estes momentos”.

“Sabemos que a pastoral juvenil vocacional não é feita apenas de eventos, mas estes são aqueles momentos que criam impacto da catolicidade e do grande alcance universal da fé, da Igreja, e que nos motivam a vivermos mais em profundidade o evangelho e até nos ajudam a relativizar muitos dos problemas que nos aparecem no quotidiano e, de um modo especial, no acompanhamento com os mais jovens”, observa o bispo transmontano.

D. José Cordeiro considera que as jornadas são extremamente importantes para a Igreja e afirma que “têm uma grande importância, de um alcance enorme”.

“Esta intuição de S. João Paulo II e a sua realização continuam tão vivas e tão presentes na igreja que as JMJ são já parte da Igreja, fazem parte não apenas da sua agenda, mas da sua vida de fé e de presença no mundo e deste movimento e dinamismo que só de uma maneira especial os jovens conseguem fazer e tornar a Igreja mais bela, mais jovem, no sentido em que se abre para o futuro e sem medo e com um coração largo”, conclui.

A organização da XXXIV Jornada Mundial da Juventude, com o lema “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua Palavra”, espera 200 mil jovens provenientes de 155 países, incluindo mil jovens indígenas dos cinco continentes.

A Missa de inauguração está marcada para 22 de janeiro, um dia antes da chegada do Papa Francisco ao Panamá.

Durante a semana decorre uma Feira da Juventude e Vocacional, que complementa as várias atividades da noite, entre elas o acolhimento ao Papa, a 24 de janeiro, e a tradicional vigília de oração, dois dias depois, no campo São João Paulo II.

A JMJ 2019 conclui-se a 27 de janeiro, com a missa do envio e o encontro de Francisco com os voluntários.

As JMJ nasceram por iniciativa de São João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude. São, por assim dizer, o encontro mundial da juventude católica, um acontecimento religioso e cultural que reúne jovens de todo o mundo durante uma semana.

Este ano, as jornadas decorrem no Panamá, o país com maior percentagem de católicos na América Central. Os cerca de 2,6 milhões de batizados representam 80% da população.

Texto: Olímpia Mairos/Rádio Renascença

Fotografia: BLR/SDCS.